Estudos identificam origens da homofobia e retratam história do preconceito no Brasil

Igor Costoli

Especial para O Tempo

Você pode já ter ouvido esta frase: “Prefiro filho ladrão a ter filho gay”. O que você não imagina é que esse pensamento é mais antigo do que parece, e que sua origem é reveladora. “Isso vem do Brasil Colônia, quando havia o crime de sodomia. Enquanto o ladrão respondia sozinho por sua pena, os familiares do sodomita também eram punidos e perdiam todos os seus pertences”, explica a pesquisadora Érika Pretes.A descoberta foi feita quando Érika produziu o estudo ‘História da Criminalização da Homossexualidade no Brasil: da Sodomia ao Homossexualismo’. Nesse trabalho, foi verificada a atuação de instituições como o Estado e a Igreja na criação e perpetuação de discursos e práticas homofóbicas.

Inicialmente, a relação sexual ente pessoas do mesmo sexo era tida como pecado-delito. Segundo o orientador da pesquisa, o professor Túlio Vianna, quando a homossexualidade deixou de ser crime, houve apenas a substituição de uma forma de preconceito por outra, e o preconceito em forma de lei passava agora a vir sob forma de falsa análise médico-científica.

“As relações foram encaradas como um desvio biológico da sexualidade humana. A ciência buscava se distanciar da imagem criminalizada e pecadora produzindo denominações, daí surge o termo homossexualismo”, conta Érika. Para Vianna, a mudança parecia falsamente progressista, e não mudou em nada o preconceito. “Os homossexuais continuavam sendo discriminados, e passaram a ser tratados à força”, explica o professor.

Assim, ambos verificaram a homofobia como efeito de uma construção secular. “São preconceitos que foram criados, impostos e mantidos pela sociedade. E isso pode e deve ser mudado”, afirma Érika. O trabalho foi publicado pela Editora PUC Minas este ano, e valeu a Érika uma bolsa CNPQ para desenvolvimento de nova pesquisa, sobre a criminalização da homofobia, atualmente em andamento.

Atualmente em análise no Senado, Érika espera poder contribuir com a discussão. “Há senadores que falam em tratar os gays, um discurso do século XVIII que continua influenciando decisões do Estado. Nosso projeto quer demonstrar como a homofobia é uma demonstração de ódio danosa para a sociedade e que deve ser combatida pelo Estado, porque ela inviabiliza a inserção do cidadão na sociedade”, afirma.

Publicado em: 28/11/2009 no jornal “O Tempo”

http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdEdicao=1494&IdCanal=4&IdSubCanal=33&IdNoticia=127807&IdTipoNoticia=1

O trabalho completo sobre a ” A história da criminalização da homossexualidade no Brasil: da sodomia ao homossexualismo” pode ser visualizado em: http://www.tuliovianna.org/index.php?option=com_docman&task=doc_details&gid=66&Itemid=72

4 Respostas para “Estudos identificam origens da homofobia e retratam história do preconceito no Brasil

  1. Deus criou HOMEM e MULHER e lhes dotou de órgãos específicos e especialmente destinados à reprodução da espécie, chamados órgãos sexuais ou genitais.
    “Assim Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou. MACHO e FÊMEA os criou” (Gênesis 1:27).
    Homem e mulher possuem genitália apropriada à reprodução. Notem que Deus não criou meio termo, não criou um ser humano que em determinado momento pudesse assumir funções híbridas.

    Deus não criou um homem com possibilidades sexuais de desempenhar o papel da mulher no ato sexual, e vice-versa.

    Ocorre que a pecaminosidade em função da queda no Éden coloca o homem em rebeldia contra Deus.

    Pela influência do diabo, o homem continua se rebelando contra o Criador e Sua palavra.

    A homossexualidade surgiu em decorrência dessa rebeldia.
    Se o homem assume postura própria de mulher; se a mulher assume funções próprias do homem no ato sexual, caracteriza-se um comportamento contrário à vontade do Criador.

    Deus nos criou para uma relação heterossexual.
    Dizer que quem nasce gay morre gay; quem nasce lésbica morre lésbica; que se trata de uma opção sexual válida; que o homossexualismo é uma opção dentre outras; que tudo é permitido desde que satisfaça as partes envolvidas; que não existe pecado; que tudo é válido quando existe amor; que o homossexualismo é genético e por isso irreversível; que a única saída para os pais é aceitar a opção sexual de seus filhos, e tantos outros argumentos semelhantes, são vozes de pessoas que desconhecem o poder e a palavra de Deus.

    • Menos hipocrisia e mais tolerância. Não cuspa pra cima que cai na sua testa. Deixe esse julgamento para Deus. Cuidado, você está cuidando dos “pecados” dos outros e esquecendo dos seus.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s